segunda-feira, 31 de março de 2014

Tu.

Chegas e ficas. Assim todo. Sem ausências nem demoras. Corpo e alma.

Deixas (me) o teu cheiro e a tua voz no meu ombro.

Depois apertas-me em mais um abraço daqueles. Aquele embrulhar de corpos que só nós sabemos. Aquele lugar só nosso.

E vais. Tu que me deixas sempre com o sabor agridoce da despedida.

Tu. Sempre Tu.