domingo, 29 de dezembro de 2013

Music in my Head XXVII

O ano a terminar e eu apercebo-me que a música me tem faltado. Não é possível. Vamos lá. A última de 2013:





Counting Stars

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be counting stars, yeah we'll be counting stars

I see this life like a swinging vine
Swing my heart across the line
And my face is flashing signs
Seek it out and you shall find
Old, but I'm not that old
Young, but I'm not that bold
I don't think the world is sold
I'm just doing what we're told
I feel something so right
Doing the wrong thing
I feel something so wrong
Doing the right thing
I could lie, coudn't I, could lie
Everything that kills me makes me feel alive

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be counting stars

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be, we'll be counting stars

I feel the love and I feel it burn
Down this river, every turn
Hope is a four-letter word
Make that money, watch it burn
Old, but I'm not that old
Young, but I'm not that bold
I don't think the world is sold
I'm just doing what we're told
I feel something so wrong
Doing the right thing
I could lie, could lie, could lie
Everything that drowns me makes me wanna fly

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be counting stars

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be, we'll be counting stars

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Everything that kills me makes feel alive

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be counting stars

Lately, I've been, I've been losing sleep
Dreaming about the things that we could be
But, baby, I've been, I've been praying hard
Said, no more counting dollars
We'll be, we'll be, counting stars

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

Take that money
Watch it burn
Sink in the river
The lessons are learnt

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Uma mãe em decadência...

É como me sinto. Este ano lectivo tem sido completamente anormal no que toca ao meu comportamento como mãe. Eu esqueço-me de datas, de horários, de actividades, de fazer bolos, de mudar a roupa da mochila, de mandar atempadamente o que pedem... bem, uma vergonha.

Hoje é a Festa de Natal do miúdo. Parte da roupa que era precisa para uma das peças só seguiu hoje, ao contrário do que tinha sido pedido.

E depois vem aquela parte em que todas as mães choram baba e ranho ao ver as crias a atuar em cima do palco. Confesso. Nunca chorei. Nunca. Hoje o meu filho será a personagem principal na peça de teatro. Decorou um texto praticamente todo em rima cruzada, mesmo sem saber ler uma única palavra. E eu? Não chorei nem vou chorar quando o vir dizer tudo o que ensaiou. Sou uma insensível, nestas coisas dos filhos.
 
Sei que vou ficar orgulhosa, a vibrar e com o coração cheio, mas não vou chorar. Ainda estou a digerir esta capacidade que os miúdos (no caso o meu) têm para fazer estas coisas. Acho que nunca fui assim, mesmo em miúda.
 
O meu filho vai ser o Lobo Mau Xau Xau que apenas sonhava ser o Lobo Bom e chamar-se Pom Pom.
 
E eu vou estar lá para o ver a brilhar e a acenar do palco, como de costume. Ele tem esta costela de "insensível" da minha parte. Não é criança para desatar a chorar ou a fugir do palco quando vê a mãe ou o pai na plateia. Pelo contrário. Sorri-me com aquele olhar cúmplice próprio de quem sabe que está a ser observado e super orgulhoso do que vai fazer. That´s my boy.
 
É a primeira vez que tem um papel principal, mas em momento algum ele agiu como vedeta. That´s my boy, too. Essa costela também é minha, pronto.
 
O meu pequeno que entrou naquela escola ainda com cara de bebé, hoje é um rapazinho crescido com quase 6 anos e a quem fez muito bem tudo o que lhe aconteceu na escola.
 
Cresceu em todos os sentidos e realmente isto deixa-me a pensar como o tempo corre.
 
Eles mudam, aprendem, adaptam-se, convivem, evoluem, socializam. É toda uma vida a acontecer e eu a ver. E ainda bem.
 
 
 
 
 

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

48h o tanas.

Não me venham mais com essa história de que porreiro era se os dias tivessem 48h e se os meses tivessem mais uma semaninha é que dava jeito!
 
Eu sou preguiçosa, ok? Não sou sempre, mas sou muitas vezes. No Inverno ainda mais.
 
Às pessoas proactivas e super produtivas deixo aqui o meu pedido de desculpas, vocês não merecem, mas para que quero EU um dia com mais horas e um mês com mais dias, se chego ao dia 15 de todos os meses e a minha conta bancária fica depenada e a palavra amealhar há muito que deixou de se ouvir por estes lados.
 
Não sou funcionária pública mas também eu não recebi os sacaninhas do subsídios. Nem de férias nem de Natal. E o pior, é que não há previsões.
 
Eu sou daquelas pessoas que se aproveitava desses sacaninhas de subsídios para compor as finanças pessoais.
 
Havia sempre alguns extras que se faziam com esses ditos. Sacaninhas. Já nem falo de extras supérfluos. Como ir na Ryanair a Barcelona, ou remodelar o quarto de passar a ferro. Também queria muito arranjar o jardim a sério. E que bem que eu me ia dar com aquelas botas da DKNY, que parecem mexer-se sempre que as olho n montra. E o telemóvel? Iphone what? Só conheço o "E.T. phone home", serve?
 
Pois.
 
Este mês é Natal. Este mês tenho o seguro do carro para pagar. Este mês gostava de poder arranjar o exaustor da cozinha que só tem dois botões a funcionar.
 
E depois tenho dois filhos que crescem todos os dias. E a roupa e calçado não esticam com eles.
 
Presentes de Natal já só vão para as crianças e os familiares mais próximos mesmo.
 
Os presentes dos adultos são mesmo lembranças ou então alguma coisa mais pratica e que esteja a dar jeito na altura.
Os miúdos recebem sempre um ou outro brinquedo que pediram na carta ao senhor das barbas, mas optamos sempre por comprar brinquedos que sejam de qualidade e possam ir resistindo ao longo dos tempos... tarefa difícil, pois todos sabem como são os brinquedos de hoje em dia, autodestroem-se em 5 minutos.
 
Eu sei que estou a deixar o meu lado mais consumista apoderar-se de mim... mas a verdade é que o sacana do dinheiro faz falta, deixa-nos dependentes dele para quase tudo e depois dá nisto. Sofre-se de síndrome de abstinência.
 
 
Queria aproveitar para lembrar a minha amiga Teresa, que está a contar os dias, horas, minutos e segundos para o dia 14. A sua metade da laranja vem lá do outro lado do mundo e para eles tenho a certeza de que os dias nesta fase, podiam ter apenas metade do tempo!
 
 
 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Alerta xixi!

O desfralde da miúda teve um importante aliado - o irmão.

Desde que ela começou a pedir para fazer xixi, que o irmão ajuda na tarefa.

Sua alteza real, a princesa, quando queria fazer xixi, pedia, mas em tom baixo e suave e quando alguém se apercebia, já só chegava a tempo de ver a poça a encher!!!

Se estivesse a brincar ou por perto do irmão, bastava dizer "a xixi" e o alarme soava de imediato: ALERTA XIXI, ALERTA XIXI, ALERTA XIXI, gritado alto e a bons pulmões pelo irmão.

Estivéssemos nós os adultos em que sitio da casa fosse, lá percebíamos a mensagem: é mesmo um alerta e é para correr com toda a genica.

Ainda agora se houve "Alerta xixi", mas já é dito pela própria e sinceramente acho-lhe uma piada daquelas!

A minha casa por vezes parece uma ala do Magalhães Lemos.