quarta-feira, 24 de junho de 2015

Caminho de sempre.

Um dia desces a rua. Como todos os dias, anos a fio. Olhas para trás e já não reconheces o caminho. Assustas-te com essa sensação do desconhecido, de desconforto, de insegurança. Então voltas ao inicio e voltas a percorre-lo devagarinho para perceberes o que mudou. Estranho. Está tudo igual. Mudaram, as cores das fachadas, mudou o piso, mudaram algumas pessoas. Mas o caminho está igual. O mesmo desenho e a mesma distância. 
Depois olhas para ti. Com calma, com atenção. Procuras meticulosamente pelos sinais que possam ter provocado essa mudança e de rompante percebes que não te reconheces é a ti, porque o caminho na realidade esteve sempre lá de igual forma.